Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Serendipidade

(inglês serendipity) substantivo feminino 1. A faculdade ou o acto de descobrir coisas agradáveis por acaso. 2. Coisa descoberta por acaso.

Serendipidade

(inglês serendipity) substantivo feminino 1. A faculdade ou o acto de descobrir coisas agradáveis por acaso. 2. Coisa descoberta por acaso.

Pelos caminhos do 28

Já há vários anos que eu e os meus pais falávamos de dar o passeio do 28E. Nunca encontrámos tempo, outras prioridades (muitas vezes menos prioritárias na realidades) se sobrepunham e nem a compra da máquina nova em Abril deste foi motivação para o fazermos. As desculpas era muitas, outros sitios para ir, o tempo não estava propício à fotografia, e acima de tudo, a preguiça de quem não se gosta de levantar cedo ao sábado. 


 


Até que chegou o dia, aguçado não só pelas descrições dos meus pais, mas também pelas histórias do Rafael Santos que muito me divertem quando leio. 


 


Por volta das 10h lá estávamos, em frente ao cemitério dos Prazeres, ponto de partida do eléctrico. Rápidamente percebi a insistência do meu em irmos cedo. Os lugares são rápidamente ocupados por turistas, ávidos como eu, de se aventurarem pelas tuas estreitas dos nosso bairros mais típicos.


 


 


 



 


 



Com os solavancos característicos dos nossos electricos antigos, vieram as memórias das muitas viagens que fiz em criança com os meus avós, entre Belém e a Baixa, há muitos e muitos anos. partimos e nessa altura percebi a importância de ir cedo: arranjar lugar sentada. Não seria bonito de ver a minha habilidade para o equilibrismo e tirar fotografias ao mesmo tempo, ao contrário da Susana que se saiu muito bem.




 




O passeio inicia-se em direcção à calçada da estrela. O eléctrico demora-se um pouco na paragem em frente à Basílica, o que permite tirar umas fotografias. Do outro lado, o Jardim da Estrela, já documentado neste post.



 


 



 


 



Continuamos em direcção a S.Bento, de onde partimos pela Calçada do Combro a caminho do Chiado. Aqui a velocidade do eléctrico e as ruas estreitas apenas permitem alguns vislumbres de casa e ruas.



 


 



 


 



No largo do Chiado, lá nos espera a estátua de Camões. Aqui as ruas já me são mais familiares e sua largura já permite tirar algumas fotos não só ao largo, mas também à igreja da Nossa Senhora da Encarnação



 


 



 


 



 


 


O eléctrico segue em direcção à Baixa onde fila de pessoas para entrar é impossivelmente grande. Aqui a maioria dos turistas, espera junto à retrosarias que ainda sobrevivem nesta zona, por um lugar no caminho para o Castelo.


 


 



 


 


No caminho ainda passamos pela Sé,


 


 



 


 


e por alguns miradoros,


 


 



 


 



até chegarmos ao destino pelo qual a maioria ansiava, O Castelo, que com honras de apresentação em vários idiomas, deixa-nos finalmente com espaço para respirar e alguns lugares vagos. A vista, apenas do eléctrico já é deslumbrante e fica a promessa de voltar para a apreciar melhor.



 


 



 


 



 


 



Passado o Castelo de S. Jorge, vamos agora para a reta final da nossa viagem, mas ainda ficam a faltar as passagens pela Graça em direcção à Almirante Reis e Martim Moniz. 



 



Nos caminhos da Graça, as ruas estreitas quase que nos permitem esticar a mão a agarrar o pão e azeitonas nas mesas dos restaurantes. As ruas tão estreitas não permitem muitas fotografias, mas o que interessa aqui é apreciar o ambiente tipico que nos rodeia. 



 


 



 


 


Publicado no Olhar à minha volta  (já descontinuado) a 11.08.2011